terça-feira, 4 de outubro de 2016

Fernanda Brum testemunha milagre da maternidade após quatro abortos espontâneos


Fernanda Brum esteve no programa Domingo Legal, do SBT, no último domingo, 02 de outubro, e testemunhou a superação de uma dificuldade que a impedia levar a gestação até o final, resultando em quatro abortos espontâneos.
Diante dessas dificuldades, a cantora e pastora disse que viu sua fé e a do marido, Emerson Pinheiro, também cantor e pastor, passar por uma provação intensa, mas recompensada com os filhos Isaque e Laura.
“Não sei quantos aqui sabem, mas eu perdi quatro crianças. Eu fiquei grávida seis vezes. Me senti exatamente como uma mãe que perdeu um filho, sabendo até que é muito pior para quem já se tem um filho nascido”, contou. “Mas um dia, um pastor amigo meu, Livingston falou assim: ‘Fernanda, você não é mãe de dois filhos. Você é mãe de seis crianças. Se elas vieram para a sua barriga, elas são suas’. Aquilo me consolou e as crianças que eu tinha perdido de aborto espontâneo entraram para a história da minha vida como crianças que um dia, na eternidade eu vou conhecer. Aqui na Terra, Deus me deu de criar Isaque e Laura”, acrescentou.
Segundo a cantora, essa dificuldade de engravidar a deixou abalada e “com medo da morte”. No testemunho contado em rede nacional, Fernanda detalhou esse sentimento: “Eu tinha um medo contínuo da morte. Toda gestação, eu ficava ouvindo o som do coração da criança. Eu comprava aqueles aparelhinhos para ficar ouvindo os batimentos cardíacos. […] Eu fiquei com medo da morte e a gente não queria tentar de novo. Eu me lembro que comecei a crer novamente. Meu marido foi esse suporte para mim. […] Ele aparentava menos, mas também estava bem abalado”, relembrou.
Toda a tristeza pela perda das duas primeiras gestações foi revertida pela felicidade da chegada de Isaque, o primogênito do casal, mesmo com um diagnóstico preocupante no começo: “Quando eu engravidei do Isaque, já era a minha terceira tentativa e quando fui fazer a ultrassom, deu aquele resultado: ‘ovo morto retido’. Não tinha batimentos cardíacos e voltei para casa com a médica me dizendo: ‘vai tirar [esse bebê], porque você pode ter uma hemorragia, pode começar a sangrar e não é bom para você’. Eu e meu marido fomos orar e a palavra foi: ‘Persevera! Persevera!’”, afirmou.
Fernanda, com fé, orou pedindo que Deus mudasse a situação: “Eu disse: ‘Deus, eu creio no milagre até o fim’. Quando repetimos o exame, sete dias depois, o Isaque não estava só com o coração batendo, mas já com os bracinhos, perninhas, já tinha crescido e hoje ele tem 13 anos de idade, para a glória de Deus”, glorificou.

DEIXANDO DEUS COMO ÚLTIMA OPÇÃO

Se Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia. Salmos 46:1 Então, Porque a primeira pessoa que procuramos qua...